Ressonância

Ressonância

por -
0 118
Photo copyright © Bráulio Porto

Este ensaio é uma tentativa de resumir minhas reflexões sobre o fenômeno da ressonância, um assunto que me ocupou por muitos anos.

Quando eu estava trabalhando como arquiteta, me questionava: “O que acontece entre meu cliente e eu quando planejamos sua casa juntos? Nossa colaboração é boa, de útil ressonância, ou é dissonante?

Escrevi sobre estas questões interessantes em diversas outras publicações, mas eu ainda não tinha escrito sobre um importante aspecto “arquitetural” que está relacionado com o meu trabalho – de fato com o trabalho de todos nós analistas e psicoterapeutas: “Como nossas salas de atendimento influenciam o processo terapêutico dos nossos clientes? Este seria um lugar de boa ressonância, no sentido de útil para a terapia? Ou seria negativa? Como nossos clientes reagem a estas sutis vibrações em uma sala?”.

Estas questões se tornaram a ponte que me encaminhou para a questão mais importante: “O que ocorre entre eu e meu cliente durante a análise verbal ou a assim chamada terapia não-verbal de sandplay, em que de fato se fala menos mas se sente mais? Que energias estão em movimento em uma sessão terapêutica? E onde começa e termina o campo dito interativo ou terapêutico?”. Especificamente, comecei a refletir a seguinte questão: “O que mais acontece acima e além do uso efetivo e inteligente da técnica psicoterapêutica junguiana? O que mais – que não sejam projeções mútuas, elementos de transferência e contratransferência – pode determinar a efetividade de uma terapia?”. Eu também gostaria de saber: “O que é que realmente faz o meu trabalho como uma analista bem sucedido e único?”.

Ressonância




PARA BAIXAR ESTE ARTIGO:
Cadastre-se ou Entre

Formação em Arquitetura pelo ETH de Zurique, atuando por treze anos nesta área. Graduada pelo C.G. Jung-Institut Zürich, é membro analista didata de seu conselho de diretores e curadora do C.G. Jung Picture Archive. Terapeuta de Sandplay com prática privada em Zurique, foi presidente da ISST (International Society for Sandplay Therapy) por oito anos, entre 2003 e 2011. Autora de várias publicações como "A terapia do jogo de areia" (Editora Paulus) e "The enchantment of gardens" (Daimon Einsiedeln), é conferencista em diversos países como Itália, Alemanha, Inglaterra, Estados Unidos, Canadá, China, Brasil, Austrália, África do Sul, Coréia do Sul e Japão.

ARTIGOS SIMILARES